fotoface2.fw

arteira

revista de psicanálise

eyes22A Arteira – Revista de Psicanálise - mantida pela EBP – Seção Santa Catarina -, em formato digital a partir de seu décimo número, visa promover a psicanálise de orientação lacaniana. Para tanto, propõe-se a veicular o que Jacques Lacan chamou, na Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola, de saber textual: os textos que dão consistência à psicanálise e os que contribuem para que caminhe em sintonia com sua época.  Além disso, a Arteira pretende publicar textos, arquivos sonoros e vídeos que digam das incursões da psicanálise para além do seu território e de seus efeitos no espaço público, ou seja, que digam da presentificação da psicanálise no mundo.

Política editorial

Está fundamentada na orientação que Lacan deu à sua Escola no texto “Ato de fundação”[1].  Nesse texto, que diz respeito à fundação da Escola Francesa de Psicanálise, em junho de 1964, Lacan alerta que aqueles

“que vierem para esta Escola se comprometerão a cumprir uma tarefa sujeita a um controle interno e externo. É-lhes assegurada, em troca, que nada será poupado para que tudo o que eles fizerem de válido tenha a repercussão que merecer, e no lugar que convier.”[2]

A Arteira digital se oferece como lugar e instrumento dessa repercussão.

No mesmo texto, Lacan define três seções da Escola que correspondem a três dimensões do controle ao qual se sujeitarão voluntariamente os que “vierem para a Escola”.

A primeira diz respeito à formação de analistas e ao seu controle interno, subdividindo-se em: doutrina da psicanálise pura, crítica interna da praxis da psicanálise como formação e supervisão dos analistas em formação.

A segunda se refere à psicanálise aplicada, à doutrina do tratamento e suas variações, à casuística e à relação da psicanálise com a informação psiquiátrica e a prospecção médica.

À terceira Lacan referiu-se como recenseamento do campo freudiano, vinculada ao exercício do comentário contínuo do movimento psicanalítico, à sua articulação com as ciências afins e à ética da psicanálise, que é a práxis da sua teoria.  

Essas três dimensões são referências que orientam e continuarão orientando politicamente a Arteira, norteando as decisões de seu Conselho Editorial.

Ainda em “Ato de fundação”, Lacan[3] sublinhou a importância das publicações oriundas da ação do psicanalista, destinando no início da fundação do Campo Freudiano um fundo financeiro para mantê-las. Essa importância dada por Lacan às publicações se atualiza no empenho da AMP em promover a psicanálise através de diversos veículos, tais como revistas, anais de encontros e congressos, livros, blogs, sites e vídeos.

Nesse contexto, a revista Arteira, agora em formato digital, continuará comprometida com a formação dos analistas, com a transmissão da descoberta freudiana e com aqueles cuja transferência de trabalho à causa psicanalítica os defina como nossos leitores, atuais ou potenciais, habituais ou eventuais.

A Arteira se propõe, então, como uma revista digital[4] que tem por finalidade a publicação de artigos, ensaios, textos em outros formatos, arquivos sonoros e vídeos de autores que tenham algum laço com a Escola Brasileira de Psicanálise - Seção Santa Catarina. Incluem-se aqui, prioritariamente, os membros de Escola, participantes das diversas atividades, alunos do CPOL, convidados e outros que enderecem suas produções ao Conselho Editorial por julgá-los compatíveis com a política e a orientação da revista.

Atribuições do Conselho Editorial

  • propor a direção e eventuais alterações na política editorial da revista e zelar pela sua qualidade;
  • estimular os membros de Escola, correspondentes, participantes de cartéis, ateliês e núcleos de pesquisa, alunos do CPOL e convidados externos a publicar seus trabalhos na Arteira;
  • convocar à publicação e acolher os textos submetidos pelos autores, após a verificação inicial dos aspectos formais dos textos, realizada pelo Comitê de Publicação. Cabe ressaltar que a política que culmina no convite à publicação não se confunde com garantia de publicação, que dependerá da avaliação dos pareceristas e do próprio Conselho.
  • decidir sobre a publicação dos textos em caso de discordância entre os pareceristas e escolher os textos que comporão cada número da revista.

Atribuições do Comitê de Publicação

  • assessorar a editora na produção e na publicação da Arteira em seu novo formato digital;
  • identificar textos apresentados em eventos da EBP-SC que julgue interessantes para publicação na revista;
  • receber os textos endereçados diretamente por seus autores à revista e verificar se estão em conformidade com as normas de publicação;
  • solicitar ao autor ou autores os ajustes formais necessários e oferecer informações e esclarecimentos necessários para tanto, caso haja algo nos textos enviados que não atenda às normas da Arteira, entrando em contato com o autor ou autores;
  • encaminhar os textos para que o Conselho Editorial avalie e decida sobre sua publicação;
  • assessorar a editora na escolha de outros materiais (imagens, arquivos sonoros, vídeos etc.) para publicação na revista.
  • tomar as medidas necessárias para divulgar a revista. 

Atribuições dos Pareceristas

Cabe a cada parecerista ler, avaliar e emitir parecer sobre os diferentes aspectos de cada um dos textos que lhe forem encaminhados, dentro do prazo estabelecido, aconselhando ou desaconselhando a publicação e sugerindo alterações, quando necessário, guardando sigilo sobre os textos e seus autores.

[1] LACAN, Jacques. Ato de fundação. In: ______. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. p. 237-238.

[2] Idem, p. 235

[3] Idem, p.238.

[4] A partir do número 10


ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANALISE - ESCOLA DO CAMPO FREUDIANO
SEÇÃO SANTA CATARINA

Rua Professor Ayrton Roberto de Oliveira, 32, Sl. 502 (Térreo)
Bairro: Itacorubi - Florianópolis  Santa Catarina

Telefone: (48) 3222-2962 

Receba Notícias

multiverse, reginaldo cardoso, 2018